Gestão de risco para construtoras: dicas práticas

a gestão abrange um conjunto de procedimentos que são desenvolvidos para gerenciar o capital financeiro envolvido em todas as transações da empresa, assim como as obrigações tributárias. São os processos que envolvem a gestão de documentos. 

Todo gestor sabe que não existe fórmula mágica para alcançar o sucesso de uma empresa. Além de um bom planejamento, organizar processos administrativos, fazer um gerenciamento de recursos humanos, é fundamental pensar os riscos a que a empresa está exposta. 

Competitividade de mercado, alterações econômicas e políticas, inadimplência, questões fiscais, e uma série de outros fatores internos e externos são situações que podem atrapalhar o andamento dos negócios. Dentre eles estão os riscos fiscais e financeiros, sendo os principais problemas que podem bater à porta da sua empresa mais cedo ou mais tarde. 

Para que o negócio esteja bem preparado para essas questões, é muito importante investir em gestão de riscos. Essa virada de chave pode salvar a empresa de prejuízos maiores, que muitas vezes acabam acontecendo em looping, levando até mesmo à falência.

Neste post vamos explorar esse conceito de gestão de riscos, especialmente focando nos processos financeiros e fiscais. Também vamos pensar em formas de colocar isso em prática da maneira mais adequada para o seu tipo de negócio. 

O que é a gestão e análise de riscos? 

Primeiramente é importante destacar que os riscos podem surgir de questões internas e externas à empresa, e causam os famosos imprevistos e incertezas na gestão. 

O termo “gestão” ou “práticas gerenciais” são expressões muito conhecidas no mundo corporativo, justamente por sua relevância em todos os processos empresariais. Independente da função que o profissional desempenha, ou ainda se não conhece exatamente como funciona a gestão fiscal e financeira, ela está presente. 

De forma geral, essa gestão abrange um conjunto de procedimentos que são desenvolvidos para gerenciar o capital financeiro envolvido em todas as transações da empresa, assim como as obrigações tributárias. São os processos que envolvem a gestão de documentos. 

Gestão financeira 

Começando pela gestão financeira, é a área que engloba todos os números no funcionamento da empresa. É o setor responsável por analisar os indicadores de todas as receitas e despesas.

A gestão do financeiro analisa o faturamento que deve ser obtido, assim como a execução e fiscalização de balanços, cobranças, controle de gastos, e muitos outros detalhes. 

Na prática é o que impede uma empresa de atuar em negativo, ou fazer investimentos que não cabem no orçamento da organização. 

Uma gestão financeira eficiente vai controlar todo o capital, e é o setor que vai tomar decisões necessárias e assertivas sobre aplicação de recursos, financiamentos, captações, etc. Ou seja, é a parte vital de toda a engrenagem corporativa.

Gestão fiscal

A gestão fiscal comporta toda e qualquer decisão que esteja ligada às ações tributárias que são executadas na organização. Além disso, precisam estar sempre em conformidade com a legislação vigente no país. O profissional que gerencia esse setor precisa estar atento às obrigações tributárias legais, às regras de escrituração fiscal e a todas as questões de impostos. 

Nesse caso, o gestor fiscal é responsável por avaliar os mínimos detalhes, como por exemplo, o formato de contribuição conforme o tipo e tamanho da empresa, pois é essa escolha que direcionará todos os demais processos fiscais e tributários. 

A principal responsabilidade de quem gerencia essas demandas é manter a empresa sempre em dia, sem deixar que isso cause situações negativas nas condições financeiras. Para isso, é importante analisar potenciais riscos de autuações. 

A gestão financeira e a gestão fiscal são duas áreas inseparáveis, pois mesmo com finalidades distintas, as duas precisam de um alinhamento conjunto. 

Como proteger sua construção de riscos fiscais e financeiros?

Há uma gama extremamente abrangente de todas possibilidades de riscos que envolvem o setor financeiro e fiscal, sejam aqueles oriundos de erros internos, ou até aqueles que não são previsíveis por serem externos. 

Porém, ainda é possível desenvolver estratégias que analisem tais riscos conforme alguns critérios. Listamos alguns: 

  1. Liste as possibilidades de riscos financeiros e fiscais

O primeiro passo para o gerenciamento de situações de risco é colocar no papel o que pode prejudicar as finanças ou que pode vir a ser um problema tributário, por exemplo. 

É uma prática que parece simples, mas é justamente na listagem que detalhes aparecem, e onde são possíveis ainda de evitar ou corrigir sem estender prejuízos à empresa. 

  1. Considere os riscos sem precedentes

Um dos erros mais comuns no gerenciamento fiscal e financeiro é ignorar ou não dar a devida atenção a problemas que nunca aconteceram na história da organização. 

Dar atenção apenas a questões no histórico de precedentes pode deixar um desafio ainda maior para enfrentar aquilo que ainda não se tem conhecimento. 

  1. Identifique o grau de ameaça de cada risco

Analisar qual é o nível que cada risco representa à empresa é a peça chave para começar a buscar uma solução. Para isso são definidos critérios, dependo do setor – financeiro e fiscal – com pontuação e escala previamente definida. 

Essas análises serão a porta de entrada para as soluções e prevenções futuras, pois a partir delas é possível saber o grau de criticidade e estabelecer a ordem de priorização. 

  1. Estabeleça um plano de ação para evitar riscos

Um próximo passo é desenvolver um planejamento estratégico com ações específicas para cada categoria de risco. É importante ter em mente que, independentemente dos fatores, este planejamento precisa estipular ações não só de resolução, mas especialmente preventivas. 

Evitar exposição da empresa a esses riscos é essencial, pois no futuro será poupado trabalho e esforços. É por esse motivo que é necessário analisar qual risco será contornado, qual será eliminado, a forma como será tratado, qual o prazo para ser encerrado, assim como definir responsáveis pelo gerenciamento deles, entre outras definições conforme o modelo de negócios adotado. 

A gestão financeira e fiscal, quando executadas de modo eficiente, garante muitos benefícios ao desenvolvimento empresarial, afinal, coloca a organização em outro nível competitivo. A forma como os problemas são resolvidos é muito importante no andamento do negócio, mas estar preparado é crucial.

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn

Leia também

Deixe um comentário